A reflexão como categoria formativa: dos dilemas às potencialidades do processo de formação continuada de professores de ciências e biologia

Contenido principal del artículo

Solange Maria Piotrowski
Roque Ismael da Costa Güllich

Resumen

Neste artigo trazemos para a discussão a reflexão como categoria formativa em um contexto de formação continuada de professores de Ciências e Biologia.  Para tal, utilizamos as narrativas orais, em formato de mônadas, de um grupo de professoras da rede básica de ensino da área de Ciências da Natureza e suas Tecnologias. A partir da análise temática do conteúdo, apresentamos e discutimos dois enfoques que se sobressaíram nas narrativas das professoras: dilemas da formação docente em Ciências e Biologia; potencialidades dos processos de formação continuada. Aprofundamos os entendimentos das professoras sobre a Investigação-Formação-Ação em Ciências como espaço e tempo de autoformação e de transformação das ações docentes, tendo a reflexão crítica como condicionante da constituição e do desenvolvimento profissional docente.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Cómo citar
Piotrowski, S. M., & da Costa Güllich, R. I. (2022). A reflexão como categoria formativa: dos dilemas às potencialidades do processo de formação continuada de professores de ciências e biologia. Revista De Educación En Biología, 25(2), 58–71. Recuperado a partir de https://revistas.unc.edu.ar/index.php/revistaadbia/article/view/36377
Sección
Artículos

Citas

Alarcão, I. (2010). Professores reflexivos em uma escola reflexiva. São Paulo: Cortez.

Bassoli, F. (2017). Desenvolvimento Profissional Docente: Contribuições e Limites de um processo formativo em um grupo colaborativo de professores de Ciências da rede pública de Juiz de Fora (MG) [Tese de Doutorado, Universidade Federal de Juiz de Fora]. https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/6124.

Carr, W. y Kemmis, S. (1988). Teoria crítica de la enseñanza: investigación-acción em la formación del profesorado. Barcelona: Martinez Roca.

Contreras, J.D. (1994). La investigación en la acción. Tema del mes. Cuadernos de Pedagogia, 7-19.

Diniz-Pereira, J.E. (2019). Desenvolvimento profissional docente: um conceito em disputa. En: F. Imbernón, A. Shigunov Neto e I. Fortunato. (Org.), Formação permanente de professores: experiências ibero-americanas (pp. 65-74). São Paulo: Hipótese.

García, C.M. (1992). A formação de professores: novas perspectivas baseadas na investigação sobre o pensamento do professor. En: A. Nóvoa. Os professores e a sua formação. (51-76). Porto: Porto Editora.

Güllich, R.I. da C. (2013). Investigação-Formação-Ação em Ciências: um caminho para reconstruir a relação entre livro didático, o professor e o ensino. Curitiba: Prismas.

Huberman, M. (2007) O ciclo de vida profissional dos professores. En: A. Nóvoa. (Org). Vidas de Professores (2. Ed., pp. 31-62). Porto: Porto Editora.

Ibiapina, I.M.L.M. (2008). Pesquisa colaborativa: investigação, formação e produção de conhecimentos. Brasília: Líber Livro.

Kierepka, J.S.N., Boff, E.T. DE O. y Zanon, L.B. (2016). O professor como construtor do currículo escolar: reflexões sobre as racionalidades técnica e prática. En: XXI Jornada de Pesquisa. file:///C:/Users/solan/Downloads/7091-Texto%20do%20artigo-30671-1-10-20160922%20(3).pdf.

Kierepka, J.S.N., Bremm, D. y Güllich, R.I. da C. (2019). O processo investigativo-reflexivo como propulsor da constituição docente. Revista Prática Docente, 4, (2), 791-809. http://dx.doi.org/10.23926/RPD.2526-2149.2019.v4.n2.p791-809.id480.

Leite, F.A. (2016). Desenvolvimento do coletivo de pensamento da área de ensino de ciências da natureza e suas tecnologias em processos de formação de professores [Tese de Doutorado, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul].

Lourenço, S.C. (2016). A formação continuada e a percepção dos professores que realizaram o curso melhor gestão, melhor ensino na formação de professores de ciências. [Dissertação de Mestrado, Universidade Nove de Julho].

Lüdke, M., Andre, M.E.D.A. (2013). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. Rio de Janeiro: E.P.U.

Maldaner, O.A. (1997). A formação inicial e continuada de professores de Química: professores/pesquisadores [Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, Unicamp].

Maldaner, O.A. (2006). A formação inicial e continuada de professores de química: professores/pesquisadores. Ijuí: Ed. UNIJUÍ.

Marcelo, C.G. (2009). Desenvolvimento Profissional Docente: passado e futuro. Sísifo. Revista de Ciências da Educação, 08, 7-22.

Nóvoa, A. (2007). Os professores e as histórias de vida. En: A. Nóvoa. (Org). Vidas de Professores (2. Ed., pp. 11-30). Porto: Porto Editora.

Pansera-de-Araújo, M.C., Auth, M.A. y Maldaner, O. (2007). A. Autoria compartilhada na elaboração de um currículo inovador em ciências no ensino médio. Contexto e Educação, 22 (77), 241-262. https://doi.org/10.21527/2179-1309.2007.77.241-262.

Person, V., Bremm, D. y Güllich, R. I. da C. (2019). A formação continuada de professores de ciências: elementos constitutivos do processo. Revista Brasileira de Extensão Universitária, 10, (3), 141-147. https://doi.org/10.24317/2358-0399.2019v10i3.10840.

Petrucci-Rosa, M.I., Ramos, T.A., Corrêa, B.R. y Almeida Junior, A.S. (2011). Narrativas e mônadas: potencialidades para uma outra compreensão de currículo. Currículo sem fronteiras, 11(1), 198-217.

Petrucci-Rosa, M.I. y Ramos, T.A. (2015). Identidades docentes no Ensino Médio: investigando narrativas a partir de práticas curriculares disciplinares. Pro-Posições, 26(1), 141-160. https://doi.org/10.1590/0103-7307201507601.

Porlán, R. y Martín, J. (2001). El diario del profesor: um recurso para investigación em el aula. Servilla: Díada.

Reis, P.R. (2008). As narrativas na formação de Professores e na investigação em educação. Nuances: estudos sobre Educação, 15(16), 17-34. https://doi.org/10.14572/nuances.v15i16.174.

Rocha, T.R. da y Braibante, M.E.F. (2020). Formação continuada de professores de Ciências: uma análise em periódicos científicos. Revista de Educação em Ciências e Matemática, 16(37), 195-209. http://dx.doi.org/10.18542/amazrecm.v16i37.7723.

Rosa, M.I. de F.P. dos S. (2004). Investigação e ensino: articulações e possibilidades na formação de professores de ciências. Ijuí: Ed. Unijuí.

Rotta, J.C.G. y França, R. de S. (2018). A formação reflexiva do professor de ciências naturais e o estágio supervisionado. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 17(2), 509-521. http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen17/REEC_17_2_12_ex1190.pdf.

Silva, L.H.A. y Ferreira, F.C. (2013). A importância da reflexão compartilhada no processo de evolução conceitual de professores de ciências sobre seu papel na mediação do conhecimento no contexto escolar. Ciência & Educação, 19(2), 425-438. https://doi.org/10.1590/S1516-73132013000200013.

Schön, D. (1992). Formar professores como profissionais reflexivos. En: A., Nóvoa. Os professores e a sua formação. Porto: Ed. Porto.

Schön, D. (2000). Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artmed Editora.

Zanon, L.B. (2003). Interações de licenciandos, formadores e professores na elaboração conceitual de prática docente: módulos triádicos na licenciatura de Química [Tese de Doutorado, Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Metodista de Piracicaba].

Zeichner, K.M. (1993). Formação reflexiva de professores: idéias e práticas. Lisboa: Educa.

Zeichner, K.M. (2008). Uma análise crítica sobre a "reflexão" como conceito estruturante na formação docente. Educação & Sociedade. 29(103), 535-554.