Botânica em foco: atividades de Anatomia Vegetal para práticas no Ensino Fundamental e Médio

Contenido principal del artículo

Carlos André Espolador Leitão
Kátia Freire Silva
Edinaldo Medeiros Carmo

Resumen

O ensino de Biologia no Ensino Médio, assim como o de Ciências no Ensino Fundamental, muitas vezes é realizado de forma pouco atrativa aos discentes. É corriqueiro os conteúdos de Botânica e Anatomia Vegetal se limitarem a exposições teóricas em sala de aula. Os objetivos do presente trabalho foram investigar as dificuldades vivenciadas por professores de Biologia ao trabalharem os conteúdos de Botânica e Anatomia Vegetal em escolas públicas, realizar uma intervenção mediante oficinas pedagógicas, produzir kits contendo laminário, vidraria e reagentes, além de um site instrutivo. Os resultados obtidos apontam que os professores têm dificuldades de realizarem aulas práticas para sala de aula, porém, foi verificado que após a intervenção os participantes se motivaram na elaboração de material de apoio e no uso do laboratório escolar.


ark:/s23449225/s7ryntwhk

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Cómo citar
Espolador Leitão, C. A., Freire Silva, K. ., & Medeiros Carmo, E. . (2022). Botânica em foco: atividades de Anatomia Vegetal para práticas no Ensino Fundamental e Médio. Revista De Educación En Biología, 25(1), 45–57. Recuperado a partir de https://revistas.unc.edu.ar/index.php/revistaadbia/article/view/33976
Sección
Artículos

Citas

Andrade, M.L.F.; Massabni, V.G. (2011). O desenvolvimento de atividades práticas na escola: um desafio para os professores de Ciências. Ciência & Educação, Bauru, 7(4):835-854.

Arana, M.D.; Correa, A.L.; Oggero, A.J. (2014). El reino Plantae: ¿Qué es uma planta y como se clasifican?: Un cambio paradigmático. Revista de Educación en Biología, 17(1):9-24.

Bassoli, F. (2014). Atividades práticas e o ensino-aprendizagem de Ciência(s): mitos, tendências e distorções. Ciência & Educação, Bauru,20(3):579-593.

Berezuk, P.A.; Inada, P. (2010). Avaliação dos laboratórios de Ciências e Biologia das escolas públicas e particulares de Maringá, Estado do Paraná. Acta Scientiarum. Humanand Social Sciences, 32(2):207-215.

Carvalho, A.A.A. (2007). Rentabilizar a internet no Ensino Básico e Secundário: dos recursos e ferramentas online aos LMS. Sísifo Revista de Ciências da Educação, 3:25-40.

Ceccantini, G. (2006). Os tecidos vegetais têm três dimensões. Revista Brasileira de Botânica, 29(2):335-337.

Coutinho, F.A.; Goulart, M.I.M.; Munford, D.; Ribeiro, N.A. (2014). Seguindo uma lupa em uma aula de Ciências para educação infantil. Investigações em Ensino de Ciências, 19(2):381-402.

Dauhs, G.; Katuta, A.M. (2013). O uso do celular na sala de aula: uma reflexão e alternativa em prol do ensino de Geografia na contemporaneidade. Cadernos PDE, vol. 2. Disponível em http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2013/2013_ufpr_geo_pdp_gerson_dauhs.pdf acesso em 11 de dezembro de 2018.

Faria, F.S.; Resende, A.A.; Viana Jr., L.C.; Isaias, R.M.S.; Zanetti, N.N.S.; Braga, C.E.; Teixeira, A.B. (2013). Ensino inclusivo de Anatomia Vegetal a partir do uso de modelos tridimensionais. Anais do 64º Congresso Nacional de Botânica realizado em Belo Horizonte de 10 a 15 de novembro de 2013. Disponível em https://www.botanica.org.br/trabalhos-cientificos/64CNBot/resumo-ins20031-id6897.pdf acesso em 22 de outubro de 2017.

Giordan, M. (1999). O papel da experimentação no ensino de Ciências. Química Nova na Escola, 10:43-49.

Kraus, J.E.; Arduin, M. (1997). Manual básico de métodos em Morfologia Vegetal. Seropédica: EDUR.

Leitão, C.A.E. (2015). Chapa aquecedora artesanal para secagem de meio de montagem de lâminas permanentes. Genética na Escola, 10(2):170-175.

Leitão, C.A.E. (2016). An alternative stage micrometer for use at light microscope. Perspectivas da Ciência e Tecnologia, 8(2):58-61.

Lepienski, L.M.; Pinho, K.E.P. (2007). Recursos didáticos no ensino de Biologia e Ciências. Secretaria da Educação e do Esporte, PR. Disponível em: http://www.diadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/400-2.pdf acesso em 11 de outubro de 2018.

Marinho, L.C.; Leitão, C.A.E. (2014). Herborization hot chamber set upon a steel stand: a low-cost alternative for laboratories in developing. Revista Biociências, Taubaté, 20(2):32-39.

Marinho, L.C.; Takiya, C.; Leitão, C.A.E. (2016). Polarizing filters installation in biological microscope using recycled material. Perspectivas da Ciência e Tecnologia, 8(1):29-34.

Martins, F.N.; Freitas, D.S.; Feldkercher, N. (2009). Oficinas pedagógicas: instrumento de valorização da diversidade no ambiente escolar. Anais do 9º Congresso Nacional de Educação/3º Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia realizado em Curitiba de 26 a 29 de outubro de 2009. EDUCERE: 4355-4365. Disponível em http://educere.bruc.com.br/cd2009/pdf/2011_1697.pdf acesso em 5 de dezembro de 2018.

Melo, E.A; Abreu, F.F; Andrade, A.B.; Araújo, M.I.O. (2012). A aprendizagem de Botânica no Ensino Fundamental: dificuldades e desafios. Scientia Plena, 8(10):101201.

Nagumo, E. (2014). O uso do aparelho celular dos estudantes na escola. Trabalho final apresentado como requisito parcial para título de Mestre em Educação. Faculdade de Educação, Universidade de Brasília. Disponível em http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/16856/1/2014_EstevonNagumo.pdf acesso em 5 de dezembro de 2018.

Nascimento, B.M.; Donato, A.M.; Siqueira, A.E.; Barroso, C.B.; Souza, A.C.T.; Lacerda, S.M.; Borim, D.C.D.E. (2017). Propostas pedagógicas para o ensino de Botânica nas aulas de Ciências: diminuindo entraves. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 16(2):298-315.

Nascimento, W.S.; Chagas, R.F. (2017). O uso da internet como recurso didático-pedagógico no ensino de Ciências e Biologia. Revista Eletrônica de Educação da Faculdade de Araguaia, 11:396-422.

Neves, A.; Bündchen, M.; Lisboa, C.P. (2019). Cegueira botânica: é possível superá-la a partir da Educação? Ciência & Educação, Bauru, 25(3):745-762.

Paiva, J.G.A; Fank-de-Carvalho, S.M.; Magalhães, M.P.; Graciano-Ribeiro, D. (2006). Verniz Vitral Incolor 500®: uma alternativa de meio de montagem economicamente viável. Acta Botanica Brasilica, 20(2):257-260.

Pinto, V.F.; Viana, A.P.; Oliveira, A.E.A. (2013). Impacto do laboratório didático na melhoria do ensino de Ciências e Biologia em uma escola pública de Campos dos Goytacazes/RJ. Revista Conexão UEPG, 9(1):84-93.

Ramos, P.; Struchiner, M. (2009). Concepções de educação em pesquisas sobre materiais informatizados para o ensino de Ciências e de Saúde. Ciência & Educação, Bauru, 15(3):659-679.

Rédua, L.S., Kato, D.S. (2020). Oficinas pedagógicas na formação inicial de professores de Ciências e Biologia: espaço para formação intercultural. Ciência & Educação, Bauru, 26:1-19.

Ribeiro, V.C.; Leitão, C.A.E. (2020). Utilisation of Toluidine blue O pH 4.0 and histochemical inferences in plant sections obtained by free-hand. Protoplasma, 257(3):993-1008.

Santos, S.C.S.; Terán, A.F.; Forsberg, M.C.S. (2011). Analogias em livros didáticos de Biologia no ensino de Zoologia. Investigações em Ensino de Ciências, 15(3):591-603.

SBP – Sociedade Brasileira de Pediatria (2019). Uso saudável de telas, tecnologias e mídias nas creches, berçários e escolas. Manual de Orientação: Departamentos Científicos de Pediatria do Desenvolvimento e Comportamento e de Saúde Escolar, n. 6. Disponível em https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/21511d-MO_-_UsoSaudavel_TelasTecnolMidias_na_SaudeEscolar.pdf acesso em 3 de fevereiro de 2021.

Sereia, D.A.O.; Piranha, M.M. (2010). Aulas práticas investigativas: uma experiência no Ensino Fundamental para a formação de alunos participativos. Secretaria da Educação - PR. Disponível em http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/2010/artigos_teses/Ciencias/Artigos/aulas_prat_investig.pdf acesso em 19 de maio de 2015.

Silva, C.J.; Lima, L.H.F.; Paiva, P.M.; Maia, L.M.; Rocha, R.E.O.; Souza, P.T.D.; Carvalho, D.A.C.A. (2020). An inexpensive and environmentally friendly staining method for semi-permanent slides from plant material probed using anatomical and computational chemistry analyses. Rodriguésia, 71:e01662018.

Silva, J.R.S. (2013). Concepções dos professores de Botânica sobre ensino e formação de professores. Trabalho final apresentado como requisito parcial para título de Doutor em Ciências na Área de Botânica. Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo. Disponível em https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41132/tde-22072013-085700/publico/JoaoRodrigo_Silva.pdf acesso em 5 de dezembro de 2018.

Silva, T.S.; Costa, L.K.P.F.; Lima, R.S. (2015). Modalidades didáticas no ensino de Botânica: oficinas pedagógicas como instrumento para o ensino aprendizagem de conceitos botânicos. Anais do 13º Congresso Internacional de Tecnologia na Educação realizado em Olinda de 23 a 25 de setembro de 2015. Disponível em http://intranet.pe.senac.br/dr/ascom/congresso/anais/2015/arquivos/pdf/comunicacao-oral/MODALIDADES%20DID%C3%81TICAS%20NO%20ENSINO%20DE%20BOT%C3%82NICA%20oficinas%20pedag%C3%B3gicas%20como%20instrumento%20para%20o%20ensino-aprendizagem%20de%20conceitos%20bot%C3%A2nicos.pdf acesso em 5 de dezembro de 2018.

Welker, C.A.D.O. (2007). Estudo de bactérias e protistas no Ensino Médio: uma abordagem menos convencional. Experiências em Ensino de Ciências, 2(2): 69-75.