Abordagem sobre aprendizagem significativa: práticas pedagógicas no ensino de Genética para alunos do ensino médio

Contenido principal del artículo

Kelly Mendes De Brito
Júlia Naelly Machado Silva
Elenice Monte Alvarenga
https://orcid.org/0000-0002-7075-5092

Resumen

Conteúdos como citogenética e primeira lei de Mendel são comumente trabalhados no ensino de Ciências Biológicas na educação básica. Desta forma, o presente trabalho abordou a apresentação de práticas com o objetivo de promover o interesse, motivação e interação dos discentes para uma aprendizagem significativa de Genética. Para tal, foi aplicado um questionário diagnóstico, seguido das aulas com a montagem de modelos didáticos representativos da molécula de DNA, cromossomos e etapas da divisão celular, além da simulação de um cruzamento com base na primeira lei de Mendel e montagem de cariótipos. Dessa forma, viu-se que os métodos estimularam o trabalho em equipe e permitiram a difusão de conhecimentos e a assimilação dos conteúdos. Ademais, eles puderam perceber a importância da contextualização para a aprendizagem de Biologia.


ark:/s23449225/kkxvkngux

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Cómo citar
Mendes De Brito, K., Naelly Machado Silva, J., & Monte Alvarenga, E. (2021). Abordagem sobre aprendizagem significativa: práticas pedagógicas no ensino de Genética para alunos do ensino médio. Revista De Educación En Biología, 24(1), 119–133. Recuperado a partir de https://revistas.unc.edu.ar/index.php/revistaadbia/article/view/27134
Sección
Experiencias Educativas

Citas

Antunes, C. (2014). A escola e seus desafios. Fortaleza, CE: Editora IMEPH.

Ausubel, D.P. (1976). Psicología educativa: um punto de vista cognoscitivo. México: Editorial Trillas.

Barni, G.S. (2010). A importância e o sentido de estudar genética para estudantes do terceiro ano do Ensino Médio em uma escola da Rede Estadual de Ensino em Gaspar (SC). Dissertação (Mestre em Ciências Naturais e Matemática) - Universidade Regional de Blumenau – FURB, Blumenau.

Braga, C.M.D.S. (2010). O Uso de Modelos no Ensino da Divisão Celular na Perspectiva da Aprendizagem Significativa. Dissertação (Mestre em Ensino de Ciências) - Universidade de Brasília, Brasília – DF.

Campos, l.M.l.; Bortoloto, T.M. e Felicio, A.K.C. (2003). A produção de jogos didáticos para o ensino de ciências e biologia: uma proposta para favorecer a aprendizagem. Cadernos dos Núcleos de Ensino: 35-48.

Cid, M. e Neto, A.J. (2005). Dificuldades de aprendizagem e conhecimento pedagógico do conteúdo: O caso da Genética. Ensenanza de las Ciências, número extra.

Cunha, E.S. (2008). Divisão celular: uma forma lúdica para abordar o tema no ensino médio. Ciência em Tela, 1 (2).

Dentillo, D.B. (2009). Divisão celular: representação com massa de modelar. Genética na Escola, 3 (3): 33-36.

Ensslin, L. e Vianna, W.B. (2008). O design na pesquisa quali-quantitativa em engenharia de produção – questões epistemológicas. Revista Produção, 8 (1).

Freire, P. (1996). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Garcia-Pérez, F.F. (2000). Los modelos didácticos como instrumento de análisis y de intervención en la realidad educativa. Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales, (207).

Joaquim, L.M.; Santos, V.C.; Almeida, A.M.R.; Magalhães, J.C. e El Hani, C.N. (2007). Concepções de estudantes de graduação de biologia da UFPR e UFBA sobre genes e sua mudança pelo ensino de genética. In: VI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências - SC, Florianópolis.

Machado, H. (2017). Genética e cidadania no século XXI: Um breve porém crítica revisitação. In: MACHADO, H. (Org.). Genética e Cidadania. Portugal: Livros e Distribuição, Lda.

Martins, I.C.P. e Braga, P.E.T. (2015). Jogo didático como estratégia para o ensino de divisão celular. Ciências Biológicas. Essentia, 16 (2): 1-21.

Mascarenhas, M.J.O.; Silva, V.C.; Martins, P.R.P.; Fraga, E.C. e Barros, M.C. (2016). Estratégias metodológicas para o ensino de Genética em escola pública. Pesquisa em Foco, 21 (2).

Medeiros, K.C.R. e Rodrigues, F.M. (2012). Análise da eficiência do uso de um modelo didático para o ensino de citogenética. Estudos, vida e saúde (EVS), 39 (3): 311-319.

Miranda, M.G. (2001). O Processo de Socialização na Escola: a evolução da condição social da criança. In: Lane, S. T. M.; Codo, W. Psicologia Social: o homem em movimento. São Paulo: Brasiliense.

Moreira, M.A. (2006). A teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Brasília: Editora da Universidade de Brasília.

Mosley, M. e Lynch, J. (2011). Uma história da ciência: experiência, poder e paixão. Rio de Janeiro: Zahar.

Moura, J.; Deus, M.S.M.; Gonçalves, N.M.N. e Peron, A.P. (2013). Biologia/Genética: O ensino de biologia, com enfoque a genética, das escolas públicas no Brasil – breve relato e reflexão. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, 34 (2): 167-174.

Pereira, S.S.; Cunha, J.S.; Lima, E.M. (2020). Estratégias didático-pedagógicas para o ensino-aprendizagem de Genética. Investigações em Ensino de Ciências, 25 (1).

Sepel, L.M.N. e Loreto, E.L.S. (2007). Estrutura do DNA em Origami – Possibilidades Didáticas. Genética na Escola, 3-5.

Silva, C.C.; Cabral, H.M.M.; Castro, P.M. (2019). Investigando os obstáculos da aprendizagem de Genética Básica em alunos do ensino médio. ETD-Educação Temática Digital Campinas, 21 (3).