El confesionario de la misión como instrumento de la agencia indígena

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.31057/2314.3908.v9.32912

Palabras clave:

antropofagia, demonios, confesionarios tupi, pueblos indígenas

Resumen

Los confesionarios tupi de Araújo (1618) y de Leão (1686) son específicos en varios aspectos, como la presencia de una pregunta sobre la práctica de la antropofagia entre los indígenas penitentes que nos impulsó a investigar por qué esta especificidad no existe en los textos de Anchieta y en los confesionarios de Tupi producidos en la Amazonia del siglo XVIII, problema principal de este artículo, en lo cual también intentaremos demostrar que los indígenas penitentes tienen un papel fundamental en la elaboración de las preguntas del confesionario y no sólo son agentes pasivos de las preguntas de los misioneros.

Biografía del autor/a

Jaqueline Ferreira da Mota, Secretaria de Estado de Educação do Pará - SEDUC/PA

Professora de História e de Estudos Amazônicos da Secretaria de Estado de Educação do Pará (SEDUC/PA), lotada na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Prof.ª Onésima Pereira de Barros e na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Rio Tapajós em Santarém, Pará, Brasil. Doutora em História Social pela Universidade de São Paulo, atuando principalmente nos seguintes temas: Ensino de História, História para a escola básica, História da Amazônia, Ensino de Estudos Amazônicos, História das religiões, Confessionários, Língua tupi e Povos indígenas das Américas. Publicou recentemente os seguintes artigos: 1 - Mota, J. F. (2021). A sexualidade indígena nas perguntas de um confessionário tupi no Pará do século XVIII. En: A. F. Antunes. (Ed.), Pluralidade de Temas e Aportes Teórico-Metodológicos na Pesquisa em História 4. (pp. 54-78). Ponta Grossa, Brasil: Editora Atena. 2 – Mota, J. F. (2020). A Grámatica da Lingua Geral do Brazil, de 1750, e suas relações com o Vocabulário da Língua Brasílica, de 1751, analisadas pelos 'Graós de Parentesco'. Afluente, v. 5, pp. 128-155.

Citas

Agnolin, A. (2007). Jesuítas e Selvagens: a Negociação da Fé no encontro catequético-ritual americano dos séculos XVI-XVII. São Paulo, Humanitas/FAPESP.

Agnolin, A. (2010). “A Babel das Línguas e o 'Grego da Terra': catequese e gramática na América portuguesa (séc. XVI-XVII)”. In: Milan, D.; Matos, O. (Org.). Gemas da Terra: Imaginação, Estética e Hospitalidade. São Paulo: Logo Edições SESC, pp.193-238.

Anônimo (1938). Vocabulário na Língua Brasílica. Manuscrito português-tupi do século XVII, coordenado e prefaciado por Plínio Ayrosa. São Paulo: Departamento de Cultura.

Araújo, A. Catecismo na Língua Brasílica (1952 [1618]). Reprodução fac-similar da 1ª edição (1618), com apresentação pelo P.e A.Lemos Barbosa, Professor de Língua Tupi na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Berredo, B. P. (1988[1718]). Anais Históricos do Estado do Maranhão, em que se dá notícia do seu descobrimento, e tudo o mais que nele tem sucedido desde o ano em que foi descoberto até o de 1718: Oferecidos ao Augustíssimo Monarca D. Joaõ V. Nosso Senhor. Escritos por Bernardo Pereira de Berredo, Do Conselho de S. Magestade, Governador, e Capitão General, que foy do mesmo Estado, e de Magazão. 4.ª Edição. Rio de Janeiro: Tipo Editor Ltda.

Câmara Júnior, J. M. (1977). Introdução às línguas indígenas brasileiras. Rio de Janeiro: AO Livro Técnico S/A – Indústria e Comércio.

Cardim, F. (2009 [1625]). Tratados da terra e gente do Brasil. Transcrição, introdução e notas de Ana Maria de Azevedo. São Paulo: Hedra.

Castelnau-L’Éstoile, Charlotte de (2006). Operários de uma vinha estéril: os jesuítas e a conversão dos índios no Brasil – 1580 -1620. Tradução de Ilka Stern Cohen. Bauru: EDUSC.

Consiglio, V. (1997). Fontes missionárias e história indígena. Um inventário analítico sobre textos jesuíticos nos arquivos romanos referentes à missão em Maranhão e Grão-Pará, séculos XVII – XVIII. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo. São Paulo.

Daher, A. (2004). “A conversão dos Tupinambá entre oralidade e escrita nos relatos franceses dos séculos XVI e XVII”. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre , v. 10, n. 22, p. 67-92, Dez.

D' Évreux, Yves (2009[1615]). História das coisas mais memoráveis, ocorridas no Maranhão nos anos de 1613 e 1614. Tradução de Marcela Mortara. Rio de Janeiro, Batel: Fundação Darcy Ribeiro.

Leam, B. (1686). Catecismo Brasilico da Doutrina Christãa, com o cerimonial dos Sacramentos & mais actos Parochiais. Composto por Padres Doutos da Companhia de Jesus, aperfeiçoado & dado à luz pelo P. Antonio de Araujo. Emendado nesta segunda impressão pelo P. Bertholameu de Leam da mesma Companhia. Lisboa: Na officina de Miguel Deslandes, MDCLXXXVI.

Leite, S. (1956). Monumenta Brasiliae I (1538 -1553). Roma: Monumenta Historica Societatis Iesu.

Leite, S. (2004). História da Companhia de Jesus no Brasil. Organização de Cesar Augusto dos Santos et al. Obra em 4v. São Paulo: Edições Loyola.

Léry, J. (2007[1578]). Viagem à terra do Brasil. Tradução e notas de Sérgio Milliet; bibliografia de Paul Gaffarel; colóquio na língua brasílica e notas tupinológicas de Plínio Ayrosa. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia. Histoire d'un voyage faict en la terre du Brésil.

Martius, K. (1979 [1844]). Natureza, doenças, medicina e remédios dos índios brasileiros (1844). Tradução, prefácio e notas de Pirajá da Silva. 2.ª ed. São Paulo: Ed. Nacional; Brasília: INL.

Métraux, A. (1979). A Religião dos Tupinambás e suas relações com as demais tribos tupi-guaranis. Prefácio, tradução e notas do Prof. Estêvão Pinto. Apresentação do Prof. Egon Schaden. 2.ª edição. Brasiliana, volume 267. São Paulo: Ed. Nacional: Ed. da Universidade de São Paulo.

Mota, J. F. (2017). A confissão tupi: a problemática dos confessionários jesuítico-tupi nos séculos XVI-XVIII nas missões do Grão-Pará e Maranhão e do Brasil. (Tese de Doutorado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Mota, J. F. (2010). O Confessionário em língua tupi (1751) e a cultura confessional europeia. (Monografia). Programa Nacional de Apoio à Pesquisa da Fundação Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro, Brasil.

Navarro, E. A. (2013). Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo: Global.

Porro, A. (2016). As crônicas do rio Amazonas. 2.ª edição revista e atualizada. Manaus: EDUA.

Tariano, I. (2002). Mitologia Tariana. Manaus: Editora Valer/ IPHAN.

Descargas

Publicado

2021-05-31

Cómo citar

Mota, J. (2021). El confesionario de la misión como instrumento de la agencia indígena. Antiguos Jesuitas En Iberoamérica, 9. https://doi.org/10.31057/2314.3908.v9.32912

Número

Sección

Artículos