CORPOS EM FLUXO E GESTÃO DA VIDA CONECTADA: NOTAS SOBRE A CONSTITUIÇÃO DE SI A PARTIR DAS PRÁTICAS DE USO DE TELEFONES CELULARES

Contenido principal del artículo

Claudia Dipolitto de Oliveira Scire

Resumen

Este trabalho tem como objetivo principal chamar a atenção para algumas questões que se inauguram a partir de uma reflexão sobre as práticas de uso de objetos extremamente presentes na vida social atual a saber, os telefones celulares. O intuito é descrever e analisar alguns dos fenômenos imbricados nas novas possibilidades de se conceber e interpretar práticas e relações sociais e, ao mesmo tempo, trazer à tona reflexões sobre os sujeitos que se constroem em meio a este processo enquanto sujeitos conectados e dependentes da conexão.

As reflexões aqui apresentadas têm cunho ensaístico e pretendem dar conta de questões como a constituição de novas cartografias corporais, que não excluem o uso e “acoplamento” dos celulares aos corpos, ao mesmo tempo em que se buscará explicar este processo de dependência e sujeição aos aparelhos enquanto resultado do espraiamento da subjetividade pelos fluxos de uma cadeia de conectividade da qual celulares e todos nós, enquanto usuários, fazemos parte.

Espera-se demonstrar como toda esta rede não escapa aos eixos do mercado sendo os celulares elementos agenciadores deste processo à medida em que impactam e reconfiguram o regime de gestão das vidas na contemporaneidade, abrindo ensejo para se pensar sobre as formas de controle e os regimes de subjetivação que entram em cena. Fato este que destaca a necessidade de um aprofundamento do debate sobre os pontos de tensão que se apresentam num momento em que os campos de experiência e ação cotidianas parecem inteiramente capturados de modo a envolver-nos no processo de reprodução do capital.

 

Detalles del artículo

Sección
Sección Monográfica
Biografía del autor/a

Claudia Dipolitto de Oliveira Scire, Doutora em sociologia pela USP

Socióloga Doutora pela Universidade de São Paulo (Brasil) e pesquisadora com experiência em metodologias qualitativas. Envolvida desde 2004 com a temática do consumo, desenvolveu pesquisas empíricas em regiões periféricas da cidade de São Paulo e publicou, com base nestas experiências o livro Consumo popular, fluxos globais, pela Editora Annablume. Em 2014 defendeu o Doutorado com base numa pesquisa sobre uso e consumo de telefones celulares e seu impacto as práticas sociais e na construção de subjetividades conectadas. Tem experiência na área de Sociologia de consumo e tecnologia, atuando principalmente nos seguintes temas: telefones celulares, TICs, construção social da tecnologia, práticas de consumo, artefatos sociotécnicos, subjetividades, modos de vida na era da Internet.