Implementação de metodologias ativas de ensino em uma turma de física básica: um estudo de caso

Autores/as

  • Bruna Schons Ribeiro
  • Leticia Tasca Pigosso
  • Dioni Paulo Pastorio

Palabras clave:

Ensino de física, Resolução de problemas abertos.

Resumen

O uso das aulas tradicionais dentro das salas de aula no ensino superior é hegemônico. Habitualmente as aulas são centradas no professor, que transmite mecanicamente seus conhecimentos aos alunos através de aulas exclusivamente expositivas. Comumente os alunos criticam um ambiente onde se problematiza tanto essa metodologia de aula, mas não ocorrem mudanças. Estando em um ambiente de mudanças curriculares nos cursos de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, a disciplina de Física Geral I passou pela implementação de dois modelos de metodologias ativas de ensino combinados: o Just-In-Time Teaching e a Resolução de Problemas Abertos, além de buscar uma avaliação contínua por meio dessas metodologias desenvolvidas em uma sequência didática específica. A aplicação dessas metodologias teve como objetivos principais tornar os alunos ativos com relação à sua aprendizagem, estimular que eles desenvolvessem criticidade frente aos conteúdos trabalhados e também fomentar a criação de um ritmo de estudo constante. O uso das metodologias ativas de ensino, apesar de ter atingido um número diminuto de alunos, obteve uma avaliação positiva deles, no questionário final aplicado, além de respostas satisfatórias nas tarefas de leitura e de resolução de problemas abertos.

Citas

Ausubel, D.P., Novak, J.D. e Hanesian, H. (1978). Educational psychology: a cognitive view. New York:
Holt Rinehart and Winston.

Araujo, I. S. e Mazur, E. (2013). Instrução pelos colegas e ensino sob medida: uma proposta para o engajamento
dos alunos no processo de ensino-aprendizagem de Física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física,
30(2), 362-384.

Astolfi, J. P. e Develay, M. (2002). A didática das ciências. Campinas: Papirus.

Barrovich, M. e Carreño, A. (2013). Un modelo para la distribución de semáforos en una calle como problema
integrador en los cursos introductorios de las carreras de Ingeniería. Latin American Journal of Physics
Education, 7(1), 63-67.

Barrows, H. S. (1996). Problem-based learning in medicine and beyond: A brief overview. New Directions
For Teaching And Learning, 1996(68), 3-12.

Brasil. Resolução nº 2, de 01 de julho de 2015. C.N.E. Diretrizes Curriculares Nacionais Para A Formação
de Professores.

Borges, O. (2006). Formação inicial de professores de Física: Formar mais! Formar melhor! Revista Brasileira
de Ensino de Física, 28(2), 135-142.

Bulgraen, V. C. (2010). O papel do professor e sua mediação nos processos de elaboração do conhecimento.
Revista Conteúdo, 1(4), 30-38.

Carvalho, A. M. P. e Gil-Pérez, D. (1993). Formação de professores de Ciências: tendências e inovações.São
Paulo: Cortez.

Clement, L. e Terrazzan, E. A. (2012). Resolução de problemas de lápis e papel numa abordagem investigativa.
Revista Experiências no Ensino de Ciências, 7(2), 99-117.

Coelho, S. M., Rodrigues, C. R. de, Ghisolfi, E. S. e Rego, F. A. do. (2012). Um exemplo prático de atividades
metacognitivas aplicadas na formação de professores de física com base na pesquisa didática. Caderno
Brasileiro de Ensino de Física, 29(3), 1108-1120.

Erceg, N., Aviani, I. e Mesic, V. (2013). Probing students' critical thinking processes by presenting illdefined
physics problems. Revista Mexicana de Física, 59(1), 65-76.

Fonseca, J. J. S. (2002). Metodologia da pesquisa científica.Fortaleza: UEC.

Formica, S. P., Easley, J. L. e Spraker, M. C. (2010). Transforming common-sense beliefs into Newtonian
thinking through Just-In-Time Teaching. Physical Review Special Topics - Physics Education Research, 6(2), 020106.

Fortus, D. (2009). The importance of learning to make assumptions. Science Education, 93(1), 86-108.

Gavrin, A., Watt, J. X., Marrs, K. e Blake, R. E. (2004). Just-in-Time Teaching (JiTT): using the web to
enhance classroom learning. Computers in Education Journal, 14(2), 51-60.

Gil, D., Torregrosa, J. M., Ramírez, L., Carrée, A. D., Gofard, M. e Carvalho, A. M. P. de. (1992). Questionando
a didática de resolução de problemas: elaboração de um modelo alternativo. Caderno Catarinense de
Ensino de Física, 9(1), 7-19.

Gustafsson, P., Jonsson, G. e Enghag, M. (2014). The problem-solving process in physics as observed when
engineering students at university level work in groups. European Journal Of Engineering Education, 40(4),
380-399.

Heidemann, L. A. (2015). Ressignificação das Atividades Experimentais no Ensino de Física por meio do
Enfoque no Processo de Modelagem Científica. Tese (Doutorado em Ensino de Física) - Programa de PósGraduação
em Ensino de Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

Heineck, R., Valiati, E. R. A. e Rosa, C. T. W. da. (2007). Software educativo no ensino de Física: análise
quantitativa e qualitativa. Revista Iberoamericana de Educación, 42(6), 1-12.

Hernández, F. (1998). Transgressão e Mudança na Educação: Os Projetos de Trabalho.Porto Alegre: Penso
Editora.

Kato, D. S. e Kawasaki, C. S. (2011). As concepções de contextualização do ensino em documentos curriculares
oficiais e de professores de ciências. Ciência & Educação, 17(1), 35-50.

Lacerda, F. C. B. e Santos, L. M. dos. (2018). Integralidade na formação do ensino superior: metodologias
ativas de aprendizagem. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, 23(3), 611-627.

Lázaro, A. C., Sato, M. A. V. e Tezani, T. C. R. (2018). Metodologias ativas no ensino superior: o papel do
docente no ensino presencial. Congresso Internacional de Educação e Tecnologias: Encontro de Pesquisadores
em Educação a Distância, 26 de junho a 13 de julho, São Carlos, SP, Brasil.

Lima Junior, P. R. M. (2013). Evasão do ensino superior de Física segundo a tradição disposicionalista em
sociologia da educação. Tese (Doutorado) - Curso de Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Porto Alegre.

Marrs, K. A., Blake, R. E. e Gavrin, A. D. (2003). Use of Warm Up Exercises in Just-in-Time Teaching to
Determine Students Prior Knowledge and Misconceptions in Biology, Chemistry, and Physics.http://webphysics.iupui.edu/papers/jcst_warmup_paper.pdf
Site consultado em fevereiro de 2019.

Marrs, K. A. e Novak, G. (2004). Just-in-Time Teaching in Biology: Creating an Active Learner Classroom
Using the Internet. Cell Biology Education, 3(1), 49-61.

Mazur, E. (1997). Peer Instruction: A User's Manual.New Jersey: Prentice Hall.

Mazur, E. e Watkins, J. (2010). Just-in-Time Teaching and Peer Instruction. Em Simkins, S. e Maier, M.
(Eds.). Just-In-Time Teaching: Across the Disciplines, Across the Academy. Sterling: Stylus Publishing.
Michaelsen, L. K., Knight, A. B. e Fink, L. D. (2004). Team-Based Learning: A Transformative Use of
Small Groups in College Teaching.Sterling: Stylus Publishing.

Nardin, A. C. de, Fruet, F. S. O. e Bastos, F. da P. de. (2009). Potencialidades Tecnológicas e Educacionais
em Ambiente Virtual de Ensino-Aprendizagem Livre. Renote: Novas Tecnologias na Educação, 7(3), 401-
410.

Novak, G. M., Patterson, E. T., Gavrin, A. D. e Christian, W. (1999). Just-in-Time Teaching: Blending active
Learning and Web Technology.Saddle River: Prentice Hall.

Novak, G. M. (2011). Just-in-time teaching. New Directions for Teaching and Learning, 2011(128), 63-73.

Oliveira, T. E. de, Araujo, I. S. e Veit, E. A. (2016). Sala de aula invertida (flipped classroom): inovando as
aulas de física. Física na Escola, 14(2), 4-13.

Oliveira, V., Araujo, I. S. e Veit, E. A. (2017). Resolução de problemas abertos no ensino de física: uma
revisão da literatura. Revista Brasileira de Ensino de Física, 39(3), e3402.

Picquart, M. (2008). ¿Qué podemos hacer para lograr un aprendizaje significativo de la física? Latin American
Journal of Physics Education, 2(1), 29-36.

Peduzzi, L. O. Q. (1997). Sobre a Resolução de Problemas no Ensino da Física. Caderno Catarinense de
Ensino de Física, 14(3), 229-253.

Peduzzi, L. O. Q. e Peduzzi, S. S. (2006). Sobre o papel da resolução literal de problemas no ensino da Física:
exemplos em Mecânica. Em Pietrocola, M. (Eds.). Ensino de Física: conteúdo, metodologia e epistemologia
numa abordagem integradora. Florianópolis: Editora da UFSC.

Pozo, J. I., Echeverría, M. del P. P., Castillo, J. D., Crespo, M. A. G. e Angón, Y. P. (1998). A solução de
problemas: aprender a resolver, resolver para aprender.Porto Alegre: Artmed.

Robinson, A. W. (2007). Don’t just stand there - teach Fermi problems! Physics Education, 43(1), 83-87.

Rodrigues, C. R., Coelho, S. M. e Aquino, A. S. (2009). Ensino de Física nas Séries Iniciais: um estudo de
caso sobre formação docente. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 6(3), 575-608.

Rodrigues, L. P., Moura, L. S. e Testa, E. (2011). O tradicional e o moderno quanto à didática no ensino
superior. Revista Científica do Itpac, 4(3), 34-42.

Vieira, A. S. (2014). Uma alternativa didática às aulas tradicionais: o engajamento interativo obtido por
meio do uso do método Peer Instruction (Instrução pelos colegas). Dissertação (Mestrado) - Curso de Física,
Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Westphal, M. e Pinheiro, T. C. (2005). O objetivo obstáculo segundo Astolfi: uma análise da formação prá-
tica do professor de Ciências. Simpósio Nacional de Ensino de Física, 24 a 28 de janeiro, Rio de Janeiro, RJ,
Brasil.

Wieman, C. E., Adams, W. K. e Perkins, K. K. (2008). PhET: Simulations That Enhance Learning. Science,
322(5902), 682-683.

Wood, E. J. (1994). The Problems of Problem-Based Learning. Biochemical Education, 22(2), 78-82

Publicado

2019-12-20

Número

Sección

Investigación Didáctica