Humphreys mentor: “saúde” e “doença”, prevenção e tratamento em um manual de medicina popular oitocentista

Contenido principal del artículo

André Portela do Amaral

Resumen

Compreendendo a medicina oitocentista como um complexo e vasto campo, composto por diferentes formatos de saberes e práticas de cura, com linhas interpretativas diversas a respeito das noções de “saúde” e “doença” e das sugestões terapêuticas, propomos a análise de um modelo específico apresentado pelo homeopata estadunidense Frederick Humphreys em seu manual de medicina popular “Humphreys Mentor”. Acreditamos que a reflexão em torno do conteúdo desse material e da sua circulação (levantamos indícios de uma interessante circulação na América Latina em fins do século XIX) contribui para a construção de uma compreensão mais clara de um panorama geral do período, uma vez que os debates apresentados nesse tipo de literatura e a adoção de certas estratégias no sentido de difundir as propostas de cura e prevenção, bem como, de angariar legitimação para as mesmas, parecem indicar algumas das características das trocas e disputas firmadas nesse contexto por diferentes agentes.


 

Detalles del artículo

Sección
Dossier: Mercados terapéuticos en América Latina

Citas

(Edição 00076 (1). de 1890). O Estado da Parahyba: Periodico Politico Social e Noticioso – Orgão Republicano (PB).

Chalhoub, S. (1996). Cidade febril: cortiços e epidemias na Corte imperial. São Paulo: Cia das Letras.

Czeresnia, D. (2001). Constituição epidêmica: velho e novo nas teorias e práticas da epidemiologia. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 8 (2), 341-56.

Edler, F. C. (1999). A constituição da Medicina Tropical no Brasil oitocentista: da climatologia à parasitologia médica. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: UERJ.

Figueiredo, B. G. (2005). Os manuais de medicina e a circulação do saber no século XIX no Brasil: mediação entre o saber acadêmico e o saber popular. Educar, 25, 59-73.

Foucault, M. (1998). Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal.

Guimarães, M. (2003). Civilizando as Artes de Curar: Chernoviz e os Manuais de Medicina Popular do Império. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro: FIOCRUZ.

Humphreys, F. (1890). Mentor do Dr. Humphreys ou Conselheiro da Família para uso da medicina específica.

Luz, M. T. (2014). A arte de curar versus a ciência das doenças: História social da homeopatia no Brasil. (2ª ed.). Porto Alegre: Rede Unida.

Palma, P. (2019). George Deacon and the circulation of homeopathic therapies in Lima (1880-1915). História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 26(4), 8-10.

Pimenta, T. S. (1997). Artes de curar: um estudo a partir dos documentos da Fisicatura-mor no Brasil do começo do século XIX. Dissertação (mestrado). Campinas: Unicamp.

Pimenta, T. S. (2004). Doses infinitesimais contra a epidemia do cólera em 1855. Em D. R. Nascimento y D. M. Carvalho (Eds.), Uma história brasileira das doenças. Brasília: Paralelo 15.

Sigolo, R. P. (1999). Em busca da “Sciencia Medica”: a medicina homeopática no início do século XX. Tese (Doutorado). Curitiba: UFPR.

Weber, B. T. (1997). As artes de curar: medicina, religião, magia e positivismo na República Rio-Grandense, 1889-1928. Tese (doutorado). Campinas: Unicamp.

Weber, B. T. (2005). Como convencer e curar: a introdução da homeopatia no Rio Grande do Sul. XXIII Simpósio Nacional de História. Londrina: ANPUH.