“Um operoso e erudito estudioso da história de nossa pátria”

Raphael Galanti e o ensino de História do Brasil (1896-1917)

Autores/as

  • Magno Francisco de Jesus Santos Departamento de História, do Programa de Pós-Graduação em História e do Programa de Pós-Graduação em Ensino de História (PROFHistória) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. https://orcid.org/0000-0002-2218-7772

DOI:

https://doi.org/10.31057/2314.3908.v7.n2.27670

Palabras clave:

ensino de história, História pátria, historiografia escolar, intelectual jesuíta, Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Raphael Maria Galanti

Resumen

Este artigo tem como escopo as questões atinentes ao ensino e à escrita da história escolar na concepção do jesuíta italiano Raphael Galanti (1840-1917). Com a emergência do governo republicano no Brasil, o ensino de história passou por importantes transformações, como a inclusão de novos heróis, a recuperação de um passado com conotação democrática e o fortalecimento da defesa dos valores morais e patrióticos, já elucidada nas obras publicadas ao longo da segunda metade do século XIX. No caso do padre Raphael Galanti, a sua concepção acerca da história do Brasil pode ser compreendida por meio de seus livros escolares, como também por meio dos discursos publicados na Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro no descerrar do oitocentos. Neste sentido, o ensino de história proposto por Galanti expressava uma preocupação vigente na historiografia escolar da época no processo de edificação da memória republicana respaldada na mitificação de novos heróis.

Biografía del autor/a

Magno Francisco de Jesus Santos, Departamento de História, do Programa de Pós-Graduação em História e do Programa de Pós-Graduação em Ensino de História (PROFHistória) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Professor Adjunto do Departamento de História, do Programa de Pós-Graduação em História (PPGH) e do Programa de Pós-Graduação em Ensino de História (PROFHIS) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Doutor em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense (Conceito CAPES 7). Mestre em Educação pelo Núcleo de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Sergipe (Conceito CAPES 4). Especialista em Ciências da Religião e possui graduação em História Bacharelado (2006) e em História Licenciatura (2005) pela Universidade Federal de Sergipe (2005). Tem experiência na área de História, com a realização de pesquisas sobre as diferentes interfaces culturais, sociais e políticas do período histórico entre o Segundo Reinado e a Primeira República no Brasil. As publicações em periódicos especializados no campo da História têm como foco este período, por meio da elucidação das seguintes temáticas: Ensino de História, Patrimônio Cultural, Religiosidades, Intelectuais e História da Educação.

Citas

Alencar, B; Celso, A y Correia, M. (1896). Parecer da comissão de admissão de sócios do dia 13 de outubro de 1896. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. 59 (2), pp. 315-317.

Amaral, T. (1895). A história de São Paulo pela biographia de seus vultos mais notáveis (Educação Cívica). São Paulo; Rio de Janeiro, Brasil: Alves & Cia.

Berstein, S. (1998). A cultura política. In: Riox, Jean-Pierre; Sirinelli, Jean-François. Por uma História Cultural. Lisboa, Portugal: Estampa.

Bittencourt, C. M. (2008). Livro didático e saber escolar (1810-1910). Belo Horizonte, Brasil: Autêntica.

Bittencourt, L. (1913). Homens do Brasil: Sergipe. Rio de Janeiro, Brasil: Livraria Gomes Pereira.

Blake, A. V. A. S. (1902). Diccionario Bibliographico Brazileiro. 7. Rio de Janeiro, Brasil: Imprensa Nacional.

Caldeira, A. P. S. (2017). O bibliotecário perfeito:o historiador Ramiz Galvão na Biblioteca Nacional. Porto Alegre, Brasil: EDIPUCRS. Rio de Janeiro, Brasil: Fundação Biblioteca Nacional.

Castro, V. (1895). Prefácio. En. Amaral, T. A história de São Paulo pela biographia de seus vultos mais notáveis (Educação Cívica). (pp. 1-13). São Paulo; Rio de Janeiro, Brasil: Alves & Cia.

Cézar, T. (2018). Ser historiador no século XIX: o caso Varhagen. Belo Horizonte, Brasil: Autêntica.

Conti, M. L. (2011). O personagem negro em lições de História do Brasil: olhares oitocentistas. (Tesis de mestria inédita). Universidade de Sorocaba, Sorocaba, Brasil.

Fernandes, A. T. C. (2017). Uma obra didática e suas diferentes versões. Revista de História. 176, pp. 1-32.

Galvão, B. F. R. (1917). Necrológio de Rafael Galante. Revista do Instituto Histórico e Geografico Brasileiro. 82 (2), pp. 847-845.

Galanti, R. M. (1897). Discurso de posse proferido no dia 2 de maio de 1897. Revista Trimensal do Instituto Histórico e Geographico Brazileiro. 60 (2).

Galanti, R. M. ([1895]1907). Compêndio de História Universal.4ª ed. São Paulo, Brasil: Duprat.

Galanti, R. M. (1896). Compêndio de História do Brazil. São Paulo, Brasil: Typographia Industrial.

Galanti, R. M. (1911). Biographias de brasileiros ilustres resumidamente expostas pelo Padre Raphael Maria Galanti. São Paulo, Brasil: Duprat.

Góes, B. A (1905). Apostillas de Pedagogia: precedidas de algumas noções de Psycologia coligidas de bons mestres. Rio de janeiro, Brasil: Orosco.

Guaraná, M. A. C. (1925). Diccionário Bio-bibliográphico sergipano. Rio de Janeiro, Brasil: Pongetti.

IHGB (1896). Ata da 14ª Sessão Ordinária de 13 de setembro de 1896. Revista Trimensal do Instituto Histórico e Geográphico Brazileiro. 59 (2).

IHGB (1897). Ata da 4ª Sessão Ordinária do dia 2 de maio de 1897. Revista Trimensal do Instituto Histórico e Geográphico Brazileiro. 60 (2).

IHGB (1917). Ata da Quinta Sessão Ordinária, em 27 de agosto de 1917. Revista Trimensal do Instituto Histórico e Geográphico Brazileiro. 82 (3).

IHGB (1917). Sócios falecidos em 1917. Revista Trimensal do Instituto Histórico e Geográphico Brazileiro. 82 (3).

Mecenas, A. L. S. (2019). Um monumento à civilização brasileira: a recepção dos pareceres da reforma da instrução pública de Rui Barbosa na imprensa brasileira. En: Ferronato, C. Mecenas, A. L. S. Práticas educativas na tessitura do tempo. Aracaju, Brasil: EDUNIT.

Mendonça, L. B. (2010). O silêncio da ação: jesuítas no Brasil pós-reforma pombalina. (Tesis de maestria inédita) Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Mendonça, L. B. (2015). Padre Raphael Maria Galanti: intelectual e historiador jesuíta. Intellèctus. 14 (1), pp. 36-56.

Mendonça, L. B. (2016). Unidos num só corpo: jesuítas, continuidades e rupturas. Revec: Revista de Estudos da Cultura. 16, pp. 13-30.

Monnerat, P. C. S. (2009). Festa e conflito: D. Antônio e a questão de Nazaré (1861-1878). (Tesis maestria inédita), Universidade Federal Fluminense, Niterói, Brasil.

Moreira, K. H. (2010). Livros didáticos de história no Brasil do século XIX: questões sobre autores e editores. Revista Educação e Fronteira. 3, pp. 31-44.

Moreira, K. H. (2011). O ensino de História no Brasil no contexto republicano de 1889 a 1950 pelos livros didáticos: análise historiográfica e didático-pedagógica. (Tesis de doctorado inédita). Universidade Estadual Paulista, Araraquara, Brasil.

Reis, A. S. C. (2013). Ensino de História no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro:as ideias de Agostinho Marques Perdigão Malheiro Filho (1850) e de Americo Brasiliense de Almeida e Mello (1876). Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, Brasil.

Reis, José Carlos. [2000] (1999). As identidades do Brasil: de Varnhagen a FHC. Rio de Janeiro, Brasil: Fundação Getúlio Vargas.

Rémond, R. (2003). Por uma história política. 2ª ed. (D. Rocha Trad). Rio de Janeiro, Brasil: FGV.

Romero, Sílvio. (1893). A história do Brasil ensinada pela biographia de seus heroes. Rio de Janeiro, Brasil: Alves e Cia.

Santos, M. F. J. (2013a). Ecos da Modernidade:a arquitetura dos grupos escolares sergipanos (1911-1926). São Cristóvão, Brasil: EDUFS.

Santos, M. F. J. (2017a). Ensino de História, espaços e cultura política bandeirante: José Scaramelli e a escrita de livros escolares para crianças. História, histórias, 5 (9), pp. 104-125.

Santos, M. F. J. (2017b). “Scenas da História do Brazil”: Esmeralda Masson de Azevedo e a escrita de livros escolares de História para crianças. Revista História Hoje. 6 (12), pp. 204-230.

Santos, M. F. J. y Santos, A. L. S. M. (2019). Um conto moral que sirva de espelho da vida: Balthazar Góes, um intelectual pensando o ensino de História. Interfaces Científicas:Educação. 7 (2), pp. 23-34.

Santos, P. A. C. (2013b). Compilação e plágio: Abreu e Lima e Melo Morais lidos no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. História da Historiografia. 13, pp. 45-62.

Wilgus, A. C. ([1965] 2012). Histories and historians of Hispanic America. London, Reino Unido: Frank Cass.

Descargas

Publicado

2020-02-14

Cómo citar

de Jesus Santos, M. F. (2020). “Um operoso e erudito estudioso da história de nossa pátria”: Raphael Galanti e o ensino de História do Brasil (1896-1917). Antiguos Jesuitas En Iberoamérica, 7(2), 42–62. https://doi.org/10.31057/2314.3908.v7.n2.27670