O trabalho docente na educação superior no Brasil. Heterogeneidade, insegurança e futuro incerto

Autores/as

  • Valdemar Sguissardi

Palabras clave:

Trabalho de ensino, Ensino superior, Brasil

Resumen

Com este artigo visa-se identificar e compreender o trabalho docente na educação superior no Brasil, hoje, no contexto de um modelo de desenvolvimento econômico-social neoliberal e de um Estado mercantilizado, sob predominância financeira, que condiciona o conjunto das políticas sociais, entre elas a da educação em geral e da educação superior em particular. Mostrar-se-á como o trabalho docente na educação superior está se assemelhando cada vez mais ao das categorias de trabalhadores com trabalho mais intensivo e de maior precariedade. Isto se deve à não prioridade da educação superior políticas sociais do Estado e à estrutura heterogênea do subsistema – estatal/público (federal, estadual e municipal), privado sem e com fins lucrativos – com presença majoritária deste último setor, que representa cerca de 85% das instituições e 75% das matrículas. A partir desse diagnóstico, serão levantadas hipóteses quanto às perspectivas da profissão docente da educação superior neste país.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

AMARAL, Nelson C. Uma análise do documento “Um Ajuste Justo: análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil”. Disponível em: <https://www.ufg.br/up/1/o/ANALISE-CRITICA-BM-2017.pdf> Acesso em 07/12/2017.

BELLONI, Isaura; MAGALHÃES, Heitor de; SOUSA, Luzia C. de. Metodologia de Avaliação em Políticas Públicas. São Paulo: Cortez – Questões de Nossa Época, n. 75, 2000.

BIANCHETTI, Lucídio; SGUISSARDI, Valdemar. Da universidade à commoditycidade. Campinas, SP: Mercado da Letras, 2017.

BRASIL. INSTITUTO NACIONAL DE PESQUSAS E ESTUDOS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sinopse Estatística da Educação Superior 2015. Brasília: Inep, 2016. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior > Acesso em: 14.11.2017

______. Sinopse Estatística da Educação Superior 2016. Brasília: Inep, 2017. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior Acesso em: 03/12/2017

COSTA, D. D. da; F ERREIRA, N-I. de B.. Prouni – Acesso e permanência na educação superior. 2. ed. Macapá, AP: Unifap editora, 2017.

DIAS SOBRINHO, José. Avaliação da Educação Superior. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

______. Universidade e avaliação: entre a ética e o mercado. Florianópolis: Insular, 2002a.

______; RISTOFF, Dilvo I. (Org.). Avaliação democrática: para uma universidade cidadã. Florianópolis: Insular, 2002.

______. Avaliação: políticas educacionais e reformas da educação superior. São Paulo: Cortez, 2003.

DIAS SOBRINHO, José. Avaliação da Educação Superior: regulação e emancipação. In: ______; RISTOFF, Dilvo I. (Org.). Avaliação e

compromisso público: a educação superior em debate. Florianópolis: Insular, 2003a. p. 35-52.

FREITAG, Michel. Le naufrage de l’Université

FÁVERO, Maria de L. Universidade e Poder. 2ª ed. revista. Brasília: Editora Plano, 2000.

HARVEY, David. O Enigma do Capital e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011.

IANNI, Octavio. Estado e capitalismo. 2ª ed., São Paulo: Brasiliense, 2004.

BRASIL. INSTITUTO NACIONAL DE PESQUSAS E ESTUDOS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sinopse Estatística da Educação Superior 2015. Brasília: Inep, 2016. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior > Acesso em: 14.11.2017

______. Sinopse Estatística da Educação Superior 2016. Brasília: Inep, 2017. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior Acesso em: 03/12/2017

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. Trad. de Isa Tavares. São Paulo: Boitempo editorial, 2005

OBSERVATÓRIO DO PNE. Disponível em: < Observatório do PNE (http://www.observatoriodopne.org.br/metas-pne/12-ensino-superior/indicadores> Acesso em 03/12/2017.

RODRIGUES FILHO, José Albertino Fiorentino. Trabalho docente no ensino superior: uma análise das políticas retribuitórias e seus efeitos. Tese de doutorado. Campinas: Unicamp/FE/Programa de Pós-Graduação em Educação, 2015.

SANTOS, J. R. dos; CHAVES, V. L. J.. O financiamento estudantil (Fies) e as implicações na financeirização de grupos educacionais. In: AMARAL, N. C.; CHAVES, V. L. J. (Orgs.) Políticas de financiamento da educação superior num contexto de crise. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2017.

SGUISSARDI, Valdemar. Estudo Diagnóstico da Política de Expansão da (e Acesso à) Educação Superior no Brasil - 2002-2012. Brasília: Edital N. 051/2014 SESU; Projeto de Organismo Internacional - OEI; Projeto OEI/BRA/10/002, 2014.

______. Educação superior no Brasil: democratização ou massificação mercantil? Educ. Soc., Campinas, v. 36, nº. 133, p. 867-889, out-dez., 2015

______; SILVA JÚNIOR. Trabalho intensificado nas Federais – pós-graduação e produtivismo acadêmico. S. Paulo: Xamã, 2009.

Publicado

2017-12-01

Cómo citar

Sguissardi, V. (2017). O trabalho docente na educação superior no Brasil. Heterogeneidade, insegurança e futuro incerto. Integración Y Conocimiento, 6(2). Recuperado a partir de https://revistas.unc.edu.ar/index.php/integracionyconocimiento/article/view/18695

Número

Sección

Dossier: “La profesión académica universitaria. Perspectivas regionales e internacionales”.