Cidades Cuidadoras.

A participação das mulheres na construção de um urbanismo contra hegemônico.

Autores/as

Palabras clave:

cidades cuidadoras, participação das mulheres, urbanismo contra hegemônico

Resumen

A grande maioria das cidades contemporâneas, não está preparada para satisfazer os cuidados com a vida cotidiana, impactando negativamente na qualidade de vida das pessoas e, em especial, daquelas que realizam essas atividades, que são majoritariamente mulheres. (Valdivia, 2018) Este trabalho tem o objetivo de problematizar o urbanismo hegemônico vigente, com enfoque no contexto brasileiro e apresentar caminhos produzidos para a construção de ‘cidades cuidadoras’, a partir da participação das mulheres envolvidas com a vida comunitária, representantes políticas, técnicas, acadêmicas e ativistas feministas, onde os cuidados com a vida cotidiana são valorizados, colocados no centro das decisões urbanas e compartilhados pelo conjunto da sociedade. Esses caminhos se apresentam em contraposição ao ‘urbanismo androcêntrico’, que se estrutura a partir do trabalho produtivo e industrial e se apresenta como neutro e universal, mas que está diretamente direcionado para atender as demandas do patriarcado. Para tal, serão apresentadas experiências referenciais que demonstram boas práticas para a construção de um urbanismo contra hegemônico, inseridas em três diferentes realidades: em Barcelona e outras cidades da Catalunha, na Espanha; em Bogotá, capital da Colômbia e em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, no Brasil.

Citas

Ascher, F. (2010). Os novos princípios do urbanismo. Romano Guerra Editora.

Caldwell, K. L. (2000). Fronteiras da diferença: raça e mulher no Brasil. Revista Estudos Feministas, 8(2), 1-18. https://doi.org/10.1590/%25x

Campos, P. S., Silveira, N. (2015). Orçamento Participativo de Porto Alegre 25 anos. Editora da Cidade. http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/observatorio/usu_doc/livro_orcamento__participativo_de_porto_alegre_-_25_anos.pdf

Dalmazzo Peillard, M. (2017). ¿Quién cuida en la ciudad? Oportunidades y propuestas en Bogotá (Colombia). Naciones Unidas. Comisión Económica para América Latina y el Caribe (CEPAL). Serie Asuntos de Género N° 148. https://www.cepal.org/es/publicaciones/42428-quien-cuida-la-ciudad-oportunidades-propuestas-bogota-colombia

Gonzalez, L. (1988/2020). Por um feminismo afro-latino-americano. Em Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. F. Rios y M. Lima (Orgs.) (1ª edição, pp.139-150), Zahar.

Hollanda, H.B.de e Pellegrino, A. (2018). Política Representativa. Em Explosão Feminista: arte, cultura, política e universidade. H.B.de Hollanda (Org.) (1ª edição, pp. 61-72). Companhia das Letras.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2018). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. Outras formas de Trabalho. Informativo. https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101650_informativo.pdf

Matos, G. de. (2020, 07 de março). As cidades são pensadas para as mulheres? Urbanistas sugerem soluções de inclusão / Entrevistada por Luiza Queiroz. Casa Vogue. https://casavogue.globo.com/Arquitetura/Cidade/noticia/2020/03/cidades-sao-pensadas-para-mulheres-urbanistas-sugerem-solucoes-de-inclusao.html

Matos, L. G. de. (2009). As mulheres na democracia participativa. Etnografia da participação feminina no Orçamento Participativo de Porto Alegre a partir das lideranças comunitárias. [Monografía de grado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul]. Arquivo digital. http://hdl.handle.net/10183/62022

Muxí-Martínez, Z. (2020). Aplicación de la perspectiva de género al urbanismo y la arquitectura. Experiencias a escala regional y muemcipal en Cataluña. Ciudad Y Territorio Estudios Territoriales, 52(203), 57-70. https://doi.org/10.37230/CyTET.2020.203.05

Paula, T. de (2021). O que as mulheres têm a ver com o Plano Diretor? Portal Geledés. https://www.geledes.org.br/o-que-as-mulheres-tem-a-ver-com-o-plano-diretor/

Paula, T.de (2019). Diáspora Urbana: as cidades reescritas. Arquitetas Negras (1ª edição, 24-35). Fundo para a Equidade Racial.

Rolnik, R.(2012). Como fazer valer o direito das mulheres à moradia? (http://www.direitoamoradia.fau.usp.br/wp-content/uploads/2012/01/guia-mulheres-PT.pdf

Santos, B.A. (2020, 09 de setembro). A experiência cooperativista de habitação no Uruguai: um breve panorama histórico. ArchDaily. https://www.archdaily.com.br/br/947330/a-experiencia-cooperativista-de-habitacao-no-uruguai-um-breve-panorama-historico

Valdivia, B. (2018). Del urbanismo androcéntrico a la ciudad cuidadora. Hábitat Y Sociedad, (11). https://doi.org/10.12795/HabitatySociedad.2018.i11.05

Wikipédia

Androcentrismo. (2021, 9 de setembro). Em Wikipédia https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Androcentrismo&oldid=62014994

Porto Alegre. Dados. (2021, 20 de novembro). Em Wikipédia

https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Porto_Alegre&oldid=62455468

Youtube

Lacol arquitectura cooperativa (2020, 25 de maio). La Borda: Visita arquitetônica [Vídeo]. Youtube. https://www.youtube.com/watch?v=YQYTrgeT7jY

Sostre Cívic (2017, 30 de junho). Projecte Princesa 49 _Procés participatiu espais comunitaris [Vídeo]. Youtube. https://www.youtube.com/watch?v=V_BIj_Hohxw&t=2s&ab_channel=SostreC%C3%ADvic

Descargas

Publicado

2021-12-21

Cómo citar

de Oliveira, K. (2021). Cidades Cuidadoras.: A participação das mulheres na construção de um urbanismo contra hegemônico. Vivienda Y Ciudad, (8), 4–19. Recuperado a partir de https://revistas.unc.edu.ar/index.php/ReViyCi/article/view/34433

Número

Sección

Dossier