A escola bilíngue: construindo possibilidade de inserção social para o surdo

Autores/as

  • Giovana Fracari Hautrive
  • Doris Pires Vargas Bolzan

Palabras clave:

surdo, escola bilíngue, educação básica, processos de inclusão, LIBRAS

Resumen

Neste artigo discutimos o valor social da criação e permanência da escola bilíngue como lugar potente para o desenvolvimento educacional do aprendiz surdo. A produção da escola bilíngue, onde a língua de sinais é a língua de instrução para os surdos, também assume desafios para a criação e permanência deste espaço. Constatamos que a comunidade surda da cidade de Santa Maria- RS/Brasil assumiu a responsabilidade de pensar, criar e manter o espaço educacional e para isso realizou ações pedagógicas para produzir a organização escolar. A escola bilíngue é privilegiada de produção de conhecimentos, compreende a relevância dos diferentes saberes que transforma e são transformados pelos sujeitos; logo, é necessário ampliar espaços educacionais bilíngues para surdos.

Citas

Bolzan, D. P. V.& Isaia, S. M. (2005). Aprendizagem Docente no Ensino Superior: construções a partir de uma rede de interações e mediações. UNIrevista, v. 1, n. 1. IV Congresso Internacional de Educação. UNISINOS, São Leopoldo.

__________________________ (2006). Aprendizagem docente na educação superior: construções e tessituras da professoralidade. InEducação. (399-501). Porto Alegre: PUCRS.

___________________________ (2007). O conhecimento pedagógico compartilhado no processo formativo do professor universitário: reflexões sobre a aprendizagem docente. In: V Congresso Internacional de Educação - Pedagogias (entre) lugares e saberes, Anais... São Leopoldo, UNISINOS.

Ministério da Educação do Brasil. Secretaria de Educação Especial. Decreto Federal nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005.

Escola Estadual de Educaçao Especial Dr. Reinaldo Fernando Cóser (2008). Projeto Político Pedagógico.

Hautrive, G. M. F. (2011). Aprendizagem docente de professores alfabetizadores de aprendizes surdos. (Dissertação) – Mestrado em Educação: Centro de Educação – Universidade Federal de Santa Maria - UFSM.

Lodi, A. C. B. (2004). A leitura como espaço discursivo de construção de sentidos: oficinas com surdos. São Paulo. Tese (Doutorado em linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) – Pontífica Universidade Católica de São Paulo.

Lopes, M. C. (2010). Relações de poderes no espaço multicultural da escola para surdos. In: A surdez. Um olhar sobre as diferenças. 4. ed. Porto Alegre: Mediação.

Quadros, R. (2010). O “BI” em bilinguismo na educação de surdos. In: Fernandes (Org.). Surdez e bilinguismo. Porto Alegre: Ed. Mediação.

Skliar, C. (1997). Abordagens socioantropológicas em educação especial. In: Skliar, C. (Org.). Educação e Exclusão: abordagens socioantropológicas em educação especial. (7-20). Porto Alegre: Ed. Mediação.

Skliar, C. (2010). Os estudos surdos em educação: problematizando a normalidade. A surdez: um olhar sobre as diferenças. 4. ed. (7-32). Porto Alegre: Editora Mediação. p. 7-32.

Stumf, M. R. (2002). Transcrições de língua de sinais brasileira em Sign Writing. In: Lodi, A. C. B. (Org.). Letramento e minorias. 3. ed. (62-75). Porto Alegre: Mediação.

Descargas

Publicado

2020-12-18

Número

Sección

Dossier