Políticas linguísticas e os grupos minoritários em Aruanã-GO

Autores/as

  • Nunes Xavier da Silva
  • Francisco Edviges Albuquerque

Palabras clave:

políticas linguísticas, língua Iny, planejamento educacional

Resumen

Neste artigo, discutimos as políticas linguísticas, planejamento educacional e os grupos minoritários na cidade de Aruanã-GO. Política linguística é um ramo da sociolinguística que debate as grandes decisões referentes às relações entre língua e sociedade, como as línguas de diferentes grupos estão inseridas no dia a dia da comunidade, a relação de poder estabelecida entre as línguas, sobretudo entre línguas minoritárias, línguas de contato. Para esta discussão utilizamos como embasamento teórico os estudos de Calvet (2002, 2007) e Hamel (1984, 1988, 1993, 2003). Estes autores defendem que as políticas linguísticas requerem uma análise dos discursos dos diferentes atores sociais envolvidos nelas, de modo a evidenciar as relações de poder e os conflitos que estão em vigor. A metodologia empregada para a geração e análise dos dados parte da pesquisa etnográfica e pesquisa de campo. Sabemos que as políticas públicas e linguísticas afetam diretamente a língua de um povo.

Citas

Altenhofen, C.V. (2004) Política linguística, mitos e concepções linguísticas em áreas bilíngues de imigrantes (alemães) no Brasil. Revista Internacional de Linguística Iberoamericana, 1(3), pp. 83-93.

Bonacina-Pugh, F. (2012). Researching “practiced language policies”: insights from conversation analysis. Language Policy, 11(3), pp. 213-234.

Bourdieu, P. (2007)A distinção crítica social do julgamento. São Paulo, SP: Edusp; Porto Alegre, RS: Zouk.

Calvet, L.-J. (2002).Sociolinguística: uma introdução crítica (M. Marcionilo, trad.).São Paulo, SP: Parábola.

______. (2007).As políticas linguísticas (I. de O. Duarte, J. Tenfen, M. Bagno, trads.).São Paulo, SP: Parábola.

Fernandes, C. V.& Moreira, L. C. (2009). Desdobramento político-pedagógico do bilinguismo para surdos: reflexões e encaminhamentos. Revista Educação Especial, 22(34), pp. 225-236.

Geertz. C. (2015).A interpretação das culturas. Rio de Janeiro, RJ: LTC.

Goiás (2004). Secretaria de Estado da Educação.Orientações gerais da rede pública estadual de ensino de Goiás. Goiânia, GO.

Goiás (2008).Projeto de Educação e Cultura Indígena Maurehi. Terra indígena Buridina, Karajá. Aruanã, GO.

Goiás (2016a). Projeto Político Pedagógico da Escola Estadual Indígena Maurehi. Território Indígena Karajá. Aruanã, GO.

Goiás (2016b). Projeto Político Pedagógico da Escola Municipal Darcy Bandeira de Melo. Aruanã, GO.

Goiás(2016c). Projeto Político Pedagógico da Escola Municipal de Educação Infantil Laylla Rodrigues Rocha.Aruanã, GO.

Goiás (2016d). Projeto Político Pedagógico da Escola Municipal Doutor Pedro Ludovico Teixeira. Aruanã, GO.

Goiás (2016e). Projeto Político Pedagógico do Centro Municipal de Educação Infantil Dona Maria Pires Perillo.Aruanã, GO.

Goiás (2016f). Projeto Político Pedagógico do Colégio Estadual Dom Cândido Penso. Aruanã, GO.

Gomes, F. C. (2016).Políticas linguísticas nos projetos políticos pedagógicos das escolas indígenas karajá(Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO.

Hamel, R. E. (1984). Conflicto sociocultural y educacionalbilingüe: el caso de los indígenas Otomíesen México. Revista Internacional de Ciencias Sociales. Unesco, 36(1), pp. 117-132.

______. (1988). La política del lenguaje y el conflicto interétnico: problemas de investigación sociolingüística. In: E. P. Orlandi (Orgs.), Política linguística na América Latina (pp. 41-73).Campinas, SP: Pontes.

______. (1993). Políticas y planificación del lenguaje: una introducción. In: Revista Iztapalapa, 13(29), pp. 5-39.

______. (2003).Direitos linguísticos como direitos humanos: debates e perspectivas. Florianópolis, SC.

Montserrat, R. (1999). Política e planejamento linguístico nas sociedades indígenas do Brasil hoje: o espaço e o futuro das línguas indígenas. III Encontro de Leitura e Escrita em Sociedades Indígenas. Unicamp, Campinas, SP.

Naiff, L. A. M. (2008). Educação de jovens e adultos em uma análise psicossocial: representações e práticas sociais. Psicologia & Sociedade. 20(3), Florianópolis, SC.

Quijano, A. (2009). Colonialidade do poder e classificação social. In: B. de S.Santos&M. P. Meneses (Orgs.). Epistemologias do sul (pp.73-117).Coimbra, Portugal: Edições Almedina.

Santos, A. de S. (2012). Multilinguismo em Bonfim/RR: o ensino de língua portuguesa no contexto da diversidade linguística(Tese de doutorado). Universidade de Brasília.Brasília, DF.

Segato. R. L (2012). Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial. In: E-cadernos CES, v. 18,pp. 106-131.

Descargas

Publicado

2020-12-18

Número

Sección

Dossier